Esse mês na História – Agosto

03/08/1709 – Primeira experiência pública por Bartolomeu de Gusmão

Em Lisboa, foi realizada na Sala das Audiências, na presença de D. João V e membros de sua Corte, tendo o balão se queimado ainda no solo. Em 05 de agosto, foi realizada a segunda experiência pública por Bartolomeu de Gusmão, na Sala das Embaixadas, na presença de D. João V e sua Corte, quando o balão elevou-se a 20 palmos e, ao chegar ao teto, foi destruído por dois criados da casa real, receosos de um incêndio.

Em 08 de agosto foi realizada a terceira experiência pública por Bartolomeu de Gusmão, no Pátio da Casa das Índias (hoje Castelo de São Jorge), na presença de D. João V e sua Corte, tendo o balão subido suavemente e caído no terreiro do Paço.

 

11/08/1995 – Primeiro voo do ERJ 145

Esse ano a Embraer comemora 25 anos do primeiro voo do seu ERJ-145.

A família Embraer ERJ é uma série de aeronaves bimotoras a jato, narrow-body, de curto alcance, para 37-50 passageiros.  É constituída pelos modelos ERJ-135, ERJ-140 e ERJ-145, que têm similaridades no sistema, diferindo apenas no comprimento da fuselagem e capacidade de passageiros.

A denominação ERJ é uma abreviação de Embraer Regional Jets.

Após a consolidação dos modelos comerciais, a Embraer colocou no mercado as versões de uso militar de vigilância – EMB-145 RS/AGS (R-99) de sensoriamento remoto no solo; EMB-145 MP/ASW (P-99) de vigilância aérea marítima; e EMB-145 AEW&C de vigilância do espaço aéreo – e no mercado executivo, ao lançar a família de jatos Legacy.

O MUSAL dispõe de um exemplar da versão ERJ-140, que foi doado pela Embraer e incorporado ao acervo do museu em 19 de novembro de 2010.

19/08/1969 – Criação da EMBRAER

A Embraer nasceu como uma iniciativa do governo brasileiro dentro de um projeto estratégico para implementar a indústria aeronáutica no país, em um contexto de políticas de substituição de importações.

Em junho de 1965 foi então aprovado o projeto governamental IPD-6504, para a produção de uma aeronave que atendesse as necessidades do transporte aéreo comercial brasileiro, principalmente em pequenas cidades, visando a produção de um avião que se adaptasse à infraestrutura aeroportuária do país na época. O projeto e montagem foram realizados nas instalações do CTA e o primeiro protótipo, denominado Bandeirante, teve seu voo inaugural em 22 de outubro de 1968.

No ano seguinte, o então Presidente da República, Arthur da Costa e Silva, assinou o decreto nº 770, que criou a Empresa Brasileira de Aeronáutica S.A. (EMBRAER), destinada à fabricação seriada da aeronave Bandeirante.

Seu primeiro presidente foi o engenheiro Ozires Silva, que havia liderado o desenvolvimento do avião Bandeirante.

    

23/08/1945 – Dia da Intendência da Aeronáutica.

Com a criação do Ministério da Aeronáutica, em 20 de janeiro de 1941, foi constituída uma Comissão de Orçamento e implantado, ao mesmo tempo, o Serviço de Fazenda da Aeronáutica, com militares oriundos da Marinha do Brasil e do Exército Brasileiro, para ser o órgão responsável por gerir os Serviços de Contabilidade e Fazenda, Orçamento, Distribuição de Verbas e Créditos, além das Tomadas de Contas e Pagamentos em geral; sendo, esta, a origem do Quadro de Oficiais Intendentes da Força Aérea Brasileira.

Anos mais tarde, em 23 de agosto de 1945, foi criado o Serviço de Intendência da Aeronáutica e, em sua alusão, instituído o dia 23 de agosto como Dia da Intendência.

Ao longo das últimas décadas o Serviço de Intendência progrediu, acompanhando a evolução da Força Aérea e do mundo, estando hoje apta a enfrentar os enormes desafios que virão nos próximos anos.

Além de atuar numa área multidisciplinar, que abrange atividades afetas ao Direito, à Administração, à Contabilidade, às Finanças e à Gestão de Projetos de várias atividades, a Intendência também está presente em situações de Ajuda Humanitária, Calamidade Pública e até mesmo em áreas de conflito.

28/08/2002 – Aniversário da AMAERO

No dia 28 de agosto de 2002, em cerimônia no Instituto Histórico Cultural da Aeronáutica – INCAER, foi criada a Associação dos Amigos do Museu Aeroespacial – AMAERO, associação civil, sem fins lucrativos, composta por pessoas físicas e/ou jurídicas.

Sua Missão é prestar apoio ao Museu Aeroespacial – MUSAL, promovendo o aprimoramento e o desenvolvimento de suas atividades e ainda, difundir a ação do Museu Aeroespacial junto ao público.

08/1977 – Primeiro voo do EMB-111 Bandeirulha

O EMBRAER 111 Bandeirulha é um avião para 5 tripulantes, destinado a operações anti-submarino e missões de reconhecimento marítimo. O primeiro EMB 111 produzido em série fez seu voo inaugural em agosto de 1977. Em 11 de abril de 1978 foi realizada a primeira entrega de três unidades (de um total de 12 aeronaves da primeira encomenda) para o 1º Esquadrão do 7º Grupo de Aviação, localizado em Salvador, Bahia. No total, foram fabricadas 29 aeronaves, 12 P-95A e 10 P-95B para a Força Aérea Brasileira, 6 P-95A para a Marinha do Chile e um P-95A para o Gabão. Durante a Guerra das Malvinas (Falklands) a Armada Argentina utilizou dois P-95A da Força Aérea Brasileira, mediante contrato de aluguel.

A Força Aérea Brasileira utilizou o “Bandeirulha” (apelido recebido na Força Aérea) nos seguintes Grupos de Aviação: 1º/7º GAV – Esquadrão Orugan – Salvador (BA) e 4º/7º GAV – Esquadrão Cardeal – Santa Cruz (RJ), e ainda o opera no 2º/7º GAV – Esquadrão Phoenix – Florianópolis (SC) e no 3º/7º GAV – Esquadrão Netuno – Belém (PA), desde 1977.

O MUSAL possui um exemplar em exposição (matrícula FAB 7050) que pertenceu ao 4º/7º GAV, onde voou até ser desativado, em 2011.  Chegou ao museu em 2013, onde foi restaurado e incorporado no mesmo ano.